Portal de Notícias do Município do Funchal.

CMF dedica exposição às escavações arqueológicas na Torre do Capitão e Capela de Santo Amaro

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, acompanhado pela Vereadora com o pelouro da Cultura, Madalena Nunes, visitou, no Museu a Cidade do Açúcar, a exposição temporária intitulada “Intervenção arqueológica Torre do Capitão e Capela de Santo Amaro”, e que reúne o espólio encontrado nesta escavação arqueológica que teve início em 1998.

Miguel Silva Gouveia salientou que esta mostra “é o resultado de vários anos de trabalho especializado da Câmara Municipal do Funchal no campo da arqueologia, com base nas escavações que foram executadas pela equipa do Gabinete de Arqueologia e Restauro da Autarquia, e pelo Historiador Rui Carita, na antiga Casa Acastelada de Garcia Homem de Sousa, genro do primeiro Capitão donatário do Funchal, João Gonçalves Zarco.”

Esta intervenção abrangeu três edifícios: A Torre do Capitão, mandada erguer em meados do século XV por Garcia Homem de Sousa, uma construção acastelada à maneira medieval, de planta quadrangular, que provavelmente é a mais antiga construção de características militares construída por portugueses fora do território continental que ainda se encontra erguida; a Capela de Santa Amaro, anteriormente conhecida por Capela Madre Deus e uma das primeiras capelas a ser edificadas na Ilha da Madeira; e a Casa dos Romeiros.

Dentro destas edificações foram descobertos fragmentos de azulejaria de diferentes tipologias, como objetos em metal (moedas, ceitis do reinado de D. Afonso V), crucifixo em cerâmica, balas de mosquete, dedais, botões, missangas, fivelas, alfinetes, entre outros. O autarca acrescenta que “para que este trabalho não se perca novamente no tempo, para além do processo rigoroso de limpeza de que foram alvo estes objetos, também realizamos o seu registo, quer a nível escrito, quer fotográfico.”

O Presidente conclui que “após o término da exposição iremos entregar este espólio à Direção Regional da Cultura que, a partir de agora, encarregar-se-á de preservar os achados. A CMF vai continuar o seu trabalho em nome da valorização do património histórico da cidade e do interesse de todos os funchalenses, para que a memória dos nossos antepassados e a memória que define a singularidade e a autenticidade da cidade do Funchal nunca seja perdida ou destruída.”

- Campanhas CMF -

ARTIGOS RELACIONADOS

Este website usa cookies para melhorar a experiência do utilizador. Ao continuar a navegar em funchal.pt está a consentir a utilização de cookies. Aceito Ler mais...