Portal de Notícias do Município do Funchal.

Funchal investe meio milhão em contrato bianual para serviços de segurança e vigilância

A Câmara Municipal do Funchal aprovou recentemente a abertura de um procedimento com vista à prestação de serviços de segurança e vigilância nos espaços municipais, entre 2021 e 2023, por um valor que ascende a 508 mil euros. O contrato prevê um total de 24 meses de serviços prestados, entrando em vigor em maio deste ano.

O Presidente Miguel Silva Gouveia explica que “a vigilância e segurança das instalações do Município é uma atividade de primordial importância e sensibilidade para o bom funcionamento dos serviços, como se comprovou recentemente com o caso do vandalismo no edifício dos Viveiros, em que foi possível identificar o responsável graças a isso. Realizaremos, por isso, mais uma vez um contrato bianual para o efeito, numa boa prática de gestão, tal como tem sido imagem de marca deste Executivo ao longo dos últimos anos, assente num planeamento responsável e a longo-prazo, e que nos permite fazer poupanças significativas.”

“É não só imperioso assegurar a vigilância dos nossos edifícios e equipamentos de segurança, com vista a salvaguardar o património municipal, mas também ter à disposição um banco de horas de recursos humanos especializados, para exercer funções de segurança nos eventos que são realizados pela Autarquia. Os serviços que serão adquiridos destinam-se, ainda, à manutenção do equipamento eletrónico que suporta o pleno desempenho destas funções”, reforçou o autarca.

Miguel Silva Gouveia sublinha que “a experiência de vários anos e múltiplos contratos vem demonstrando que a conjugação entre serviços de vigilância humana permanentes, serviços de vigilância por rondas, serviços de ligação e monitorização de alarmes e serviços de resposta a situações de emergência, se revela a mais adequada e vantajosa, sendo que, a coordenação entre esses serviços permite não só eficiências operacionais, mas também financeiras.”

O Presidente termina salientando que esta contratação só acontece porque “o Município não dispõe de meios próprios para a execução e gestão desses serviços, pelo que o recurso à contratação dos mesmos é necessário e imprescindível.”

ARTIGOS RELACIONADOS

Este website usa cookies para melhorar a experiência do utilizador. Ao continuar a navegar em funchal.pt está a consentir a utilização de cookies. Aceito