Portal de Notícias do Município do Funchal.

Teatro Municipal Baltazar Dias volta a ter casa cheia

Depois de sensivelmente três meses em que os eventos culturais tinham uma plateia de apenas cinco espectadores por sessão, a infraestrutura recebeu 100 pessoas sedentas por fruir de um bom espetáculo.

Casa cheia, às 16h de uma quarta-feira. Foi desta forma que o emblemático Teatro Municipal Baltazar Dias voltou, esta semana, ao novo ‘normal’.

Depois de sensivelmente três meses em que os eventos culturais tinham uma plateia de apenas cinco espectadores por sessão, a infraestrutura recebeu cerca de 100 pessoas sedentas por fruir de um bom espetáculo.

Para o mês de maio o Teatro Municipal Baltazar Dias tem uma agenda recheada, que arranca logo dia 2 com um espetáculo musical online de percussão de Duarte Santos, às 16h, no âmbito do InMusic. 

No dia 5, às 18h, as cadeiras vermelhas da histórica Casa da Cultura, preparam-se para receber o público para um espetáculo de Música de Câmara, com o Quinteto de Sopros “Solistas OCM”.

Já de 6 a 9 de maio há boas notícias para os amantes de teatro. Em cena estará a peça “Sou Eu?”, da responsabilidade da companhia Contigo Teatro. 

No dia 9, às 16h, haverá mais uma transmissão online do InMusic, desta feita protagonizada por Norberto Cruz e o seu bandolim.

Dia 12, às 18h, é a vez do Teatro Baltazar Dias apresentar as suas habituais conferências sobre a história da Madeira, de A a Z. 

Os Stardust Acoustic Project de 14 a 16 de maio vão celebrar o seu 10.º aniversário com um concerto muito especial, que será transmitido pelo Youtube e Facebook do Teatro Baltazar Dias.

O InMusic no dia 16 de maio às 16h recebe a consagrada cantora madeirense Vânia Fernandes. 

A Música de Câmara volta à Casa da Cultura funchalense dia 19 maio, às 18h, com o Quinteto de Sopros “Atlântida”. 

De 20 de maio a 25 de junho, o Teatro Baltazar Dias dinamiza a iniciativa “Partilhas Francas – Teia de Thanatos, na sua Sala de Pintura. Este é um projeto curatorial que aborda uma revisitação aos acervos museológicos municipais, convocando os artistas plásticos a estabelecerem diálogos entre a arte contemporânea, a história do edificado, as suas coleções e a sua inserção na cidade. 

Tratam-se de “Partilhas” conceptuais, visuais ou formais entre artistas e instituições e entre as pessoas que habitam os territórios das cidades, estabelecendo nelas narrativas, entre o eterno e o efémero, entre a materialidade histórica e veemência da contemporaneidade. “Partilhas Francas” contempla cinco exposições, em seis espaços museológicos ou culturais da cidade do Funchal.

- Campanhas CMF -

ARTIGOS RELACIONADOS

Este website usa cookies para melhorar a experiência do utilizador. Ao continuar a navegar em funchal.pt está a consentir a utilização de cookies. Aceito